O deputado viu na intervenção uma manobra do governo Temer para ficar em evidência colocando o Rio no paredão.