O advogado almofadinha do presidiário precisa é explicar os repasses de 68 milhões que a Fecomércio fez ao seu escritório.